pavilhaohome edificiohome museuhome kokushikan blibliotecaacervo bunkyonethome

Música no Pavilhão

yoko nishiNo feriado do dia 15 de novembro, o ingresso para visitação ao Pavilhão Japonês do Parque Ibirapuera incluirá a apresentação especial “Música no Pavilhão”. Com início às 11h30, o recital traz em seu programa músicas para koto (harpa tradicional japonesa) e shakuhachi (flauta japonesa de bambu). Vale a pena conferir!

Shen Ribeiro divulgacaoCom pouco mais de uma hora de duração, o recital será realizado pela musicista japonesa de koto Yoko Nishi, que está visitando o país para um concerto na Japan House (dia 16 de novembro, às 13h30) e também fará uma apresentação no Pavilhão Japonês tendo como convidado o mestre brasileiro de shakuhachi Shen Ribeiro.

O programa será composto por canções japonesas como Haru no umi (shakuhachi + koto); Midare (koto solo); Futatsu no hensoukyoku "Sakura sakura" "Kojo no tsuki" (koto solo); Koto no nagori (koto solo) e Jogen no kyoku (shakuhachi + koto).

SERVIÇO

Música no Pavilhão - recital de koto com Yoko Nishi
Data/hora: 15 de novembro, quarta-feira, às 11h30
Local: Pavilhão Japonês do Parque Ibirapuera (próximo ao Planetário/Museu Afro Brasil)
Ingresso: R$ 10,00 – adulto | R$ 5,00 – estudantes, crianças de 5 a 12 anos e idosos de 60 a 65 anos (menores de 4 anos e idosos acima de 65 anos, entrada gratuita)
Informações: (11) 3208-1755

Acesso para pedestres: Av. Pedro Álvares Cabral - Portões 03 e 10
Acesso a veículos mediante uso de Zona Azul (estacionamento dentro da área do Parque Ibirapuera): Av. Pedro Álvares Cabral: Portão 03 | Av. República do Líbano: Portão 07
Alternativa: Estacionamento da ALESP – Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (disponível das 11h às 18h). Desde junho de 2015, o estacionamento da Assembleia Legislativa passou a ser liberado para cidadãos nos finais de semana e feriados.

YOKO NISHI transita tanto no repertório tradicional quanto contemporâneo de koto. Natural da cidade de Wakayama, no Japão, ela iniciou seu aprendizado no estilo Ikuta, aos quatro anos de idade, sob a tutela dos músicos e compositores Tadao Sawai e Kazue Sawai. Em 1980, aos 16 anos, foi premiada no concurso de Sankyoku. Ao se graduar na Tokyo University of the Arts, apresentou-se no Palácio Imperial como representante da universidade em evento organizado pela Agência da Casa Imperial. Em 1993, tornou-se trainee de arte para a Agência de Assuntos Culturais. Em 1993, deu seu primeiro recital solo em Tóquio. A partir de 2008, apresentou-se em festivais internacionais ao redor do mundo, incluindo países como Suíça, Reino Unido, Estados Unidos, Alemanha, China, Hungria e Lituânia. Em 2013, lançou o álbum "The Magic Dragon", um trabalho de canções próprias. Do ponto de vista mais fundamental entre a tradição e a modernidade, olha para o koto e persegue a música com pensamentos livres e sensibilidade. Vem promovendo o intercâmbio internacional de música de koto e atividades intimamente relacionadas com a área e sua província natal (Wakayama). Suas atividades de criação e ensino de koto são divulgadas em uma nova forma podendo se conectar profundamente com o mundo e a sociedade.

SHEN RIBEIRO, natural de Botucatu, teve uma educação musical tradicional até 1987, quando partiu para o Japão. Estudou shakuhachi e ingressou na Universidade de Belas Artes de Tóquio, tendo sido convidado a tocar para o Imperador do Japão. Entre os CD’s que gravou está Brazilian Music for the Shakuhachi, projeto que uniu a flauta tradicional japonesa à música popular brasileira. Retornou ao Brasil em 2003, e desde então é diretor do Estúdio Salaviva da Associação Cultural Cachuera! Como concertista, vem apresentando-se em inúmeras salas do Brasil, Japão e Europa, interpretando um repertório que mescla temas clássicos e populares. Em 2013 recebe a nomeação de Shen “Kyomei” (mestre em shakuhachi) da Associação Chikumeisha do Japão. Participou dos encerramentos das Olimpíadas 2016 no Rio de Janeiro interpretando ao shakuhachi Canto de Xangô, de Baden Powell. É presidente da Associação Brasileira de Música Clássica Japonesa e, a partir de maio de 2017, assumiu a vice-presidência da Comissão de Administração do Pavilhão Japonês do Parque Ibirapuera.