pavilhaohome edificiohome museuhome kokushikan blibliotecaacervo bunkyonethome

Planejamento Comissões

Comitê Administrativo - Exercício de 2016

Presidente: Jorge Yamashita e Gerson Kunii
Vice-presidentes: Anacleto Hanashiro, Hiroshi Takahashi, Taqueshi Ishikawa, Henrique S. Nakagaki, Leo Ota, Sadao Kayano, Camilo Shimabukuro, Akeo Yogui, Marcelo Shiraishi, Jorge Shimao, Rogério Kita

Comissão de Administração Geral / Eventos
Presidente: Jorge Yamashita

  1. Assessorar a administração geral, os setores financeiro, contábil e de recursos humanos da entidade;
  2. Dar suporte às unidades administrativas Museu Histórico da Imigração Japonesa no Brasil; Pavilhão Japonês e Centro Esportivo Kokushikan Daigaku, e ao Condomínio Edifício Bunkyo;
  3. Elaborar e encaminhar projetos culturais e educacionais subsidiados pela JICA;
  4. Realizar cerimônias festivas do Ano Novo (1º de janeiro) e do aniversário do Imperador (dezembro);
  5. Promover a Homenagem Hakujusha (pessoas de 99 anos ou acima);
  6. Participar de eventos da comunidade nipo-brasileira (Festival do Japão, Exposição de Orquídeas, etc.);
  7. Promover recepções de boas-vindas, despedidas, homenagens e comemorações e
  8. Dar apoio ao 27º Prêmio “Itoen” de haiku.

Comissão Patrimonial
Presidente: Gerson Kunii
VIce-presidente: Takao Yamada
Membro: Sadao Kayano

  1. Promover a administração e manutenção do Edifício Bunkyo:
    1. Cuidar da locação dos auditórios, ginásios e salas;
    2. Manter a limpeza, controle de vigilância e segurança patrimonial (terceirizado);
    3. Participar da administração do condomínio (terceirizado);
    4. Manter e conservar a Biblioteca, Pequeno Auditório e Sala de Exposição;
    5. Manter e conservar o Espaço Multiuso (ex-Ginásio de Esportes) e
    6. Administrar o estacionamento (terceirizado).

Comissão de Administração do Pavilhão Japonês
Presidente: Léo Sussumu Ota
Vice-presidentes: Seiji Ito, Cristina Izumi Sagara e Heraldo Guiaro

  1. Administrar e conservar as instalações do Pavilhão Japonês e da exposição permanente do acervo de arte japonesa;
  2. Cuidar da criação de Nishiki-Goi (carpas coloridas);
  3. Cuidar da manutenção do Jardim Japonês e Brasileiro;
  4. Promover e organizar as visitas monitoradas de escolas públicas e privadas;
  5. Promover o “Hina Matsuri”, “Kodomo-no-hi” e “Mês da Cultura Japonesa” (Bunka no Hi);
  6. Assessorar a diretoria na retomada da elaboração do projeto paisagístico visando ampliar a área de abrangência do Pavilhão Japonês e do Memorial em Homenagem aos Imigrantes Pioneiros Falecidos (Ireihi), em conjunto com a Prefeitura Municipal de São Paulo, Federação das Associações de Províncias do Japão no Brasil, com apoio do Consulado Geral do Japão em São Paulo;
  7. Desenvolver e consolidar as relações com as instituições governamentais na esfera municipal, estadual e federal visando a sustentabilidade e desenvolvimento de novos projetos e
  8. Promover o intercâmbio cultural com entidades congêneres internacionais.

Comissão de Administração do Museu Histórico da Imigração Japonesa no Brasil
Presidente: Ignácio Tadayoshi Moriguchi
Vice-presidentes: Lídia Yamashita e Roberto Yoshihiro Nishio
Membros: Akio Ukon, Emiko Nakashima, Helena Naomi Mizumoto, Hisae Eguchi, Masayuki Fukasawa, Roselia Ikeda, Shuko Takada e Tuyoci Ohara

  1. Administração rotineira do Museu
    1. buscar fontes de verbas públicas de auxílio cultural, promovidas pelos governos federal (IBRAM=Instituto Brasileiro de Museus), estadual (SISEM= Sistema Estadual de Museus de São Paulo) e municipal (Lei Municipal de incentivo fiscal para a realização de projetos culturais) que possam ser adequados aos projetos do Museu;
    2. organizar e realizar eventos e exposições especiais no Museu e também fora do Museu, em outras localidades do Estado de São Paulo ou em outros Estados e/ou até mesmo no exterior, se houver possibilidades de intercâmbio, com vistas à divulgação da história da imigração ou acervo do Museu;
    3. incrementar os meios de divulgação das atividades do Museu através do site do Museu e da página do Museu no Facebook, recentemente criada;
    4. criar outros meios de angariar fundos para o Museu, com o estudo sobre a viabilidade de implantação da Sociedade Amigos do Museu;
    5. dar continuidade ao projeto “CURSO NO MUSEU” que tem por objetivo trazer palestrantes que possam contribuir para o enriquecimento cultural do publico geral e trazer um publico que ainda não conhece o Museu, ao mesmo tempo em que realiza ação filantrópica em favor do Museu, contribuindo para o fundo de manutenção do Museu;
    6. realizar estudos para a viabilização do funcionamento da lojinha do Museu;
    7. com as novas instalações do Centro de Reservas técnicas, desenvolver em cada Reserva, pesquisas e estudos relacionados a dados digitalizados das informações de cada acervo.
  2. Digitalização e Banco de Dados do Museu
    O Projeto de criação do Banco de Dados Digitalizados do Museu, Archive Project, administrado em fundo específico, desvinculado da administração cotidiana do Museu está concluído na maior parte dos itens e em 2015 estará sendo dada sequência às correções dos dados digitalizados, bem como concluindo a digitalização fotográfica do acervo de objetos e a inserção dos dados ainda não catalogados ou tombados.
    1. com a conclusão da digitalização do Livro de Tombo, será dada continuidade às revisões e complementação dos dados, inclusive com a inserção de fotos para os dados dos objetos;
    2. digitalização do acervo de fotos, através de escaneamento e inserção de dados, que foi dificultada em razão da falta de dados na maioria das fotos ou pela dificuldade de leitura e inserção de dados em japonês, além da obsolência da estrutura de suporte do sistema informatizado, que passou a ser muito demorado em armazenar a grande quantidade de informações;
    3. digitalização do acervo de objetos, cujos dados já foram finalizados e em andamento a complementação do registro fotográfico;
    4. as informações sobre os dados referentes ao acervo audio-visual foram registradas detalhadamente de forma analógica, por uma voluntária japonesa e em 2015 será digitalizado com informações complementares e imagens;
    5. revisão e correção do Banco de Dados do projeto Ashiato, teve dificuldades na sua execução, devido à precariedade da estrutura de informática, já obsoleta com 7 anos desde a sua instalação e necessitando atualizar a capacidade de processamento dos dados, pois o Banco de Dados, a estas alturas, comporta um volume não processável em estrutura simples; desta forma foi realizada reunião com a empresa de IT e acertado as formas de melhorar a estrutura existente, cabeando em novas salas de digitalização, as redes de transmissão de dados, além de fazer as atualizações em um segundo servidor, para otimizar o trabalho.
  3. Estratégia para o futuro
    1. dar fechamento ao Projeto Kimono, aprovado na Lei Rouanet em 2013 e que teve como uma das primeiras ações a realização de uma exposição chamada “A arte do Quimono”, no Palácio dos Bandeirantes, em maio de 2013 e que deu como resultado a aquisição de arquivos deslizantes para os mais de 350 kimonos do acervo do Museu, vencendo uma das principais etapas rumo`a constituição de uma reserva técnica apropriada para a sua conservação, estando ainda faltando equipar com os controles de temperatura e umidade, bem como para a edição de um Livro sobre Kimonos.
    2. para o futuro do Museu, a Comissão tem como plano, consolidar o intercâmbio e cooperação entre os diversos museus nacionais e internacionais;

    3. fazer o lançamento do Catálogo do Museu, com informações sobre os acervos históricos e as áreas expositivas do Museu;
    4. inaugurar no início de 2016 um sistema inovador de áudio-guia que facilitará a visitação, até mesmo para os deficientes visuais, podendo ser guiado pelo Museu através de um tablet, onde o visitante poderá escolher as explicações em 3 línguas: português, japonês e inglês.
    5. para 2016 criar um projeto na Lei Rouanet visando a substituição de todas as esquadrias das janelas do Museu e também, se for do interesse do Bunkyo, de todas as esquadrias de ferro da fachada do Bunkyo, pois atualmente as janelas do 3º andar estão provisoriamente chumbadas, para evitar a entrada de água da chuva, mas quando de chuva forte, a água acaba entrando através das partes enferrujadas e corroídas ou quebradas das esquadrias das janelas, colocando em risco a preservação e a conservação do acervo histórico. Além disso, no projeto de melhoria do Museu planeja-se colocar em projeto de Lei Rouanet a substituição total do sistema de ar condicionado do 7º, 8º e 9º andares, já obsoleto e sem peças de reposição para a sua manutenção e funcionamento, depois de 30 anos de uso. Também dentro deste Projeto de Lei Rouanet, fará parte a reforma das demais áreas expositivas do 8º andar, cujas estruturas estão comprometidas com o cupim e o projeto expositivo referente ao início do pós-guerra está sendo desenvolvido em conjunto com membros do Centro de Estudos Nipo-Brasileiros desde 2013.
    6. a Comissão empenhará esforços no sentido de conseguir instalar arquivos deslizantes e traineis na Reserva Tecnica Audio-Visual, onde serão armazenadas as obras de arte recebidas do Banco Santander e que anteriormente pertenceram ao Banco América do Sul, constituindo-se assim uma Reserva Tecnica com controle de umidade e temperatura capaz de preservar adequadamente todas as obras de arte e quadros de pintores que o Museu conserva em seu acervo.
  4. História oral dos imigrantes japoneses
    1. dar continuidade ao projeto de História Oral, colher depoimentos orais e visuais dos homenageados “Hakujusha” (pessoas de 99 anos) no Bunkyo e de pessoas selecionadas que possam contribuir para o enriquecimento da história da imigração japonesa no Brasil. Criar um projeto, se possível dentro da Lei Rouanet, para fazer a edição dos vídeos já documentados e completar as entrevistas planejadas.
  5. Estabelecimentos de convênios
    Buscar consolidar convênios com as instituições afins, como a Universidade de São Paulo e mais especificamente com o Laboratório de Estudos Étnicos e Raciais, com vistas a desenvolver estudos em conjunto e poder compartilhar as informações sobre os imigrantes japoneses.

Comissão de Administração do Centro Esportivo Kokushikan Daigaku
Presidente: Gerson Kunii

  1. Administrar e conservar as instalações do Centro;
  2. Coordenar o 20º Festival das Cerejeiras, promovido em conjunto com entidades da região (2 e 3 de julho);
  3. Abrigar o campeonato de Mallet Golf e de Encontros de Jovens e
  4. Planejar e executar formas de melhor utilização do ginásio e demais áreas desse conjunto.

Comissão Jurídica
Presidente: Junzo Katayama
Vice-presidentes: Nelson Miyahara
Membros: Acácio Hashida, Alberto Mori, Jorge Nagado, Marcelo Baptistini Moleiro, Mario Masanori Iwamizu, Ricardo Augusto Yamasaki, Ricardo Kiyoshi Sasaki, Roberto Yoshihiro Nishio, Seiji Yoshii e Tuyoci Ohara

  1. Reuniões ordinárias mensais, de fevereiro a dezembro (ou extraordinariamente sempre que se fizer necessário e sob convocação de seu presidente);
  2. Análise e manifestação (parecer ou recomendações) sobre assuntos jurídicos de interesse do Bunkyo e de seus associados, submetidos à apreciação pela Diretoria;
  3. dar continuidade ao acompanhamento dos processos administrativos e judiciais em que a entidade contende com o INSS e
  4. Realizações de seminários ou palestras, sobre temas jurídicos relevantes e de interesses do Bunkyo e de seus associados.

Comissão de Planejamento Estratégico
Presidente: Henrique S. Nakagaki

  1. Preparar o orçamento anual e acompanhar sua execução;
  2. Preparar o orçamento plurianual de investimentos, a análise e avaliação das alternativas de fontes de recursos para investimentos e
  3. Acompanhar a consolidação dos trabalhos dos três Pilares da Entidade (Administrativo, Cultural/Social e Relacionamento).

Comissão de Marketing e Comunicação
Presidente: Léo Sussumu Ota

  1. Editar e publicar o anuário das atividades “Colonia”;
  2. Redigir e publicar o boletim informativo “Bunkyonews”;
  3. Redigir e divulgar o informativo eletrônico “Bunkyoe-news”;
  4. Estruturar a assessoria de imprensa da entidade;
  5. Redigir, atualizar e manter o site Bunkyo (www.bunkyo.org.br);
  6. Planejar e montar um Banco de Dados com informações relacionadas ao setor de comunicações da entidade;
  7. Publicar a nova revista cultural da entidade “Bunkyo Magazine”;
  8. Incrementar as mídias sociais;
  9. Estruturar as ações de incentivos fiscais e captação de recursos e
  10. Revitalizar e padronizar a marca e comunicação integrada da entidade.

(Aprovada na 149ª Reunião Ordinária do Conselho Deliberativo, realizada em 12 de dezembro de 2015)